Blog OPINIÃO

Verdades que ninguém conta sobre ser fotógrafo

verdades-interrrogatorio

Tempo de Leitura: 2 minutos

Ambicionar a ser um fotógrafo de topo é o desejo de muitos praticantes de fotografia. Contudo, nem tudo o que parece é, e há algumas verdades que ninguém conta. Nem tudo é um mar de rosas…

A vida de fotógrafo pode não ser simplesmente o que vemos do lado de fora. Viagens, bons locais e eventos, ser pago para fazer o que se gosta, pode ser apenas o lado “solarengo” da profissão. Conversamos com muita gente e é preciso ter consciência de que nem tudo é exatamente como se pinta. Há verdades escondidas que não são reveladas. Ora por “segredo profissional”, ora para manter um certo estatutos de “cool guy“.

É facilmente percetível que toda a profissão exige empenho e dedicação. Os trabalhos das 9h às 6h são escassos e pouco compensatórios. É preciso procurar a sorte e saber estar nos locais certos à hora certa. o núcleo de influências é um grande trunfo que também se trabalha. Assim, e porque estas questões são meramente pessoais, deixamos algumas referências a verdades escondidas:

Originalidade

Nenhuma ideia é puramente original. Todas elas vêm a reboque de uma outra que o fotógrafo viu. Vai adaptá-la e trabalhá-la de acordo com a sua ideia e criar uma nova, mas que não é original. Talvez estejamos a ser demasiadamente analíticos, mas numa altura em que tudo está inventado, o que aparece de novo são meras adaptações.

Inspiração

Há estudos que trazem por terra a teoria da inspiração. Shelly H. Carson, uma estudiosa de Harvard diz que a “inspiração é um período incubação que resulta do pensamento divergente de um ou mais períodos de distração” deixando que a mente pense noutras coisas…

Criatividade

A criatividade é fruto do trabalho, da pesquisa. Quanto mais trabalharmos e pesquisarmos, maior o leque de informações disponíveis. A combinação de elementos aparentemente diferentes produz um resultado que, com base na experimentação e no processo “tentativa-erro”, se distinguem dos tradicionais.

Medo

Já lá dizia Henrique Santana no célebre “Aqui há Fantasmas (filme disponível aqui)”: “O medo é um preconceito dos nervos!“. Ter medo revela que estamos perante algo desconhecido, que não está sobre o nosso domínio. A fuga ao medo e a colocação em zona de conforto, afasta-nos daquilo a que chamamos criatividade e sucesso. O mundo é feito de falhas e todos quantos tiveram (e têm) sucesso, tiveram ainda mais falhas… Só que estas, ninguém as revela!

Caso pretendam enveredar pela carreira profissional de fotógrafo, preparem-se para enfrentas estes sentimentos ou, eventualmente, a falta deles. Habituem-se a conviver com cada situação, entendê-la e ultrapassá-la. Reconheçam-lhe a devida importância e colham os frutos do vosso investimento pessoal. Sejam honestos e, caso vos perguntem, ajudem quem quer começar. Há espaço para todos!


Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário