Blog OPINIÃO

Sabes aqueles clientes muito chatos? São os melhores…


Tempo de Leitura: 3 minutos

Ninguém gosta de gente mesquinha e exageradamente exigente. Ninguém gosta daqueles chatos que estão constantemente a identificar defeitos no nosso trabalho. Ainda assim é preciso dar-lhes o merecido valor. … mais!!! Procura-os pois são o teu futuro.

Durante toda a nossa vida fugimos de chefes chatos, colegas chatos, namoradas chatas e de amigos …. sim adivinharam; chatos! Tiram-nos do sério e chegam até a tirar-nos também a vontade de fazer algo que adoramos. Acreditem, eu já passei por isso…

Ainda assim há que ver sempre o copo meio cheio, o outro lado da moeda e perceber que podemos sempre tirar partido de uma situação menos agradável. Somos obrigado a “levar” com eles, são uma parte importante do nosso rendimento mensal e se ninguém os quer como clientes, então cá estaremos nós para lhes tratar dos problemas.

Vamos aprender

Na realidade é facilmente percetível a razão que me leva a aconselhar-vos a “usar” estes clientes. O facto de serem chatos é, muitas vezes, sinónimo de total conhecimento do que pretendem. E olhem que não há nada pior do que um cliente que não sabe o que quer…

Ao fazerem um briefing detalhado com, inclusivamente, ângulos que querem que sejam usados para captar a essência de algum produto estão a retirar-nos toda a criatividade. Mas muito provavelmente já alguma equipa de comunicação terá decidido que é a forma ideal para comunicar. Deixemo-nos de preciosismos e façamos o que nos pede; não é isso que faz um trabalhador “vulgar”?

Vamos ficar bloqueados, vamos ter de arranjar alternativas para fotografar de forma a que a imagem saia “assim”. Vamos ter de perceber melhor a luz, o reflexo, a essência do objeto. Vamos suar as estopinhas, mas no final vamos conseguir.

O trabalho não vai estar do agrado do cliente, até porque ele é chato e seria muito mau (para ele), aceitar o resultado à primeira. Vai colocar defeitos, vai ver algum reflexo que não era suposto estar lá. Vai levar-nos ao extremo, mas vai dar provavelmente aquela informação que nos faltou no briefing inicial. Vamos repetir o trabalho e acabaremos por chegar a um ponto de entendimento comum.

Enriquecedor

A experiência que tenho tido com clientes chatos tem sido bastante proveitosa. Por norma sabem que são chatos e fazem até questão de o dizer. É uma caraterística, “temos pena”! Sabem que são persona non grata e que são indesejados por muitos dos nossos concorrentes.

É aqui que vamos marcar a diferença. É aqui que atacamos… Fazemos um trabalho bem feito, aprendemos novas formas de chegar a determinado resultado e ainda por cima ganhamos o cliente. Ele, contente, irá contactar-vos para uma outra sessão, depois outra e, quem sabe, não passarão a ser chamados pelos outros chatos que fazem parte do mesmo núcleo de amigos (sim, porque eles são tipo uma praga – sem ofensa!).

De futuro, poderão inclusivé aplicar algumas das técnicas que aprenderam noutras ocasiões, noutro tipo de fotografia. Quem sabe não apresentam um resultado digno de um contrato, a um cliente que até vos deixou à vontade? Quem sabe, não foi o chato o verdadeiro impulsionador do vosso sucesso?

Se se “fecha uma porta, abre-se uma janela” e “se não podes com eles, junta-te a eles”, são dois ditos populares que bem se podem aplicar nesta situação. Usarmos a “não vontade” dos outros para vingarmos num mercado cheio de … chatos!

 

Ler também


Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário