Blog GUIAS RÁPIDOS OPINIÃO

Portefólio, o CV do fotógrafo


Tempo de Leitura: 3 minutos

É impressionante a quantidade de contactos que recebemos com pedidos de estágio na área da fotografia. As formalidades seguem-se, mas nunca da melhor forma. Mas então como devemos colocarmo-nos à disposição do mercado? CV ou portefólio?

Em consulta o meu feed de facebook, deparo-me com uma publicação do grande Rui Bandeira. Habituado aos palcos e às grandes noites musicais, não lhe faltam certamente candidatos que lhe queiram seguir as pegadas. O problema é que ninguém parece ligar ao portefólio…

O caso do Rui não é isolado. É sabido que há alturas em que os novatos, cheios de ideias e de vontade de trabalhar, disparam candidaturas espontâneas em busca da sua grande oportunidade. O mercado da fotografia não é fácil e se vamos pedir, então que seja aos que têm maior projeção.

Pesquisa de mercado

Procurar emprego numa área tão específica não é difícil. São várias as empresas (ou indivíduos) que marcam presença nas Redes Sociais. Facebook ou Instagram são apenas duas das mais variadas plataformas onde podemos encontrar quem nos oriente no tão desejado estágio.

Certamente que, no caso de estares interessado(a) na área da fotografia, já segues alguns dos mais intervenientes players do mercado. Podes começar por pesquisar nos teus amigos quem são aqueles para quem gostarias de, um dia, poder vir a trabalhar.

A tua presença online

“Ser fotógrafo é (saber) tirar fotografias. Uma verdade simples e, ao mesmo tempo, cruel. Deves ter cuidado com a forma como te apresentas online. Através das Redes Sociais ou de uma outra plataforma de disponibilização de dados académicos e profissionais. Cuidado com as publicações de índole pessoal e lembra-te que grande parte do que publicares, vai junto de uma fotografia. Faz (ou tenta) com que seja tirada por ti e lembra-te que tudo o que fizeres estará sob avaliação.

Como concorrer?

Concorrer a um emprego ou estágio na área da fotografia não é muito diferente do resto das profissões. Os fotógrafos são, isso sim, mais atentos ao conteúdo do que à formação académica. Se vais fotografar, é bom que tenhas um portefólio atualizado e cuidado.

Redige um email ou envia uma mensagem através das Redes Sociais, apresentando-te e evidenciando o teu portefólio. Esquece o CV, isso é para os outros. Convém referir que tens formação (se a tiveres) na área, mas o mais importante de tudo é, sem dúvida, o portefólio.

O portefólio

São várias as dicas que podemos dar neste campo. Há sites específicos que podes usar para divulgares o teu trabalho. Muitos são gratuitos e são plataformas de referência junto da comunidade fotográfica. Flickr, Béhance, o próprio Facebook, o Instagram… Desde que bem trabalhados, qualquer um pode ser o teu cartão de visita.

Podes sempre optar por um site próprio, mas requer que pagues o alojamento e domínio e caso não tenhas conhecimentos técnicos, terás de pagar a alguém para criar um site por ti. Nada disto é fator eliminatório. Contudo, deves estar atento(a) ao conteúdo e à comunicação visual.

 

O portefólio fotográfico sobrepõem-se sempre ao CV que, por muito original que seja, não espelha a tua capacidade de fotografar. Sabemos que não terás grandes “clientes” no teu trabalho, mas ninguém está à espera disso. Por vezes, uma fotografia a um animal de rua pode ser bem mais reveladora do que a fotografia de uma personalidade. O que interessa é a fotografia e não o que fotografaste.

Daqui para a frente deves continuar a apostar na tua presença online e na divulgação do teu trabalho. Ainda que possa demorar algum tempo, o mais certo é conseguires o tão desejado estágio ao mesmo tempo que vais tendo solicitações para outros trabalho. Como costumo dizer: “Há sempre um testo para cada panela” e alguém gostará do teu trabalho. Ele tem é de ser conhecido!

 

Ler também


Artigos que podem interessar

3 Comentários

Deixe um Comentário

Blogs do Ano - Nomeado Inovação e Tecnologia