INSPIRAÇÃO OPINIÃO

Filhos, os nossos melhores modelos

brincadeira-areia

Tempo de Leitura: 5 minutos

Já aqui falei da minha felicidade em ser pai de trigémeos. Sem saber muito bem como é que aconteceu, o certo é que fui agraciado com 3 maravilhosas “criaturas” que me enchem o coração (e a cabeça também)! Os meus filhos são os melhores do mundo, ou não fossem meus, mas o certo é que, já com 3 anos, tenho uma vasta experiência em fotografá-los.

Muitas são as tentativas para os colocar em pose, outras faço questão que estejam os 3 a olhar para a fotografia. Lembro-me no último dia da mãe onde resolvi comprar as letras “M”, “A” e “E”, e uma vez que as letras são tantas quantos os filhos que tenho, fotografá-los a segurar cada qual com a sua letra. Tirei duas fotografias: uma que fiz questão de partilhar no Facebook e outra que tirei para imprimir e oferecer à mãe.

dia-mae-trigemeos

Fotografia dos meus filhos dedicada à mãe no “Dia da Mãe”

Por razões que para nós são óbvias, decidimos manter a identidade dos nossos filhos no anonimato. Quem nos conhece, sabe como eles são e ainda assim, conjuntamente com os que não os conhecem ou já não os vêem há muito tempo, tentam sempre descobrir uma falha que mostre a cara deles (coisa que ainda não aconteceu).

São muitos os avisos das autoridades e muitos vídeos de utilização indevida de identidades de (crianças) inocentes. Assim, e também para os proteger de olhares indiscretos, tem vindo a ser nossa política de privacidade para com os nossos filhos.

Muitas são as ocasiões, muitos são os registos que tenho deles. Nalguns sou obrigado a recorrer ao photoshop para conseguir a solução final. Não que não consiga com alguma teimosia, mas se tenho acesso às ferramentas porque não as hei-de usar? Confesso que esta não é a solução que prefiro, mas é a que a certa altura me é possível. Entre não publicar ou recorrer a “estratagemas” para conseguir o que se pretende, muitas das vezes fico-me pela desistência, mas outras alturas há em que a mensagem será tão bem-vinda e tão “obrigatória” que não tenho outra alternativa.

No passado Dia da Criança senti que era obrigatório colocar uma menção à minha “tribo” e tinha de publicar uma imagem. Sem ter obrigatoriedade para tal nem tão pouco uma página específica para os meus filhos, o certo é que sei que existe quem esteja sempre à espera de os ver. Assim, peguei em duas fotografias distintas. Na primeira (que por razões óbvias não apresento) estava o Pedro e a Carolina – os dois das pontas – com a cabeça para baixo, como aparecem aqui na imagem. Na segunda fotografia, o Pedro olhava para mim enquanto o Rodrigo (o do meio) olhava, agora ele, para baixo. O Cenário era o mesmo, tinham sido tiradas na mesma altura, a matemática era simples… o photoshop haveria de os juntar.

dia-da-crianca-post

“Montagem” para o Dia da Criança

Muitos momentos alegres vivi, como alguns (felizmente muito poucos) tristes assolaram o meu coração. Ainda assim, quase sempre de máquina em punho faço questão de registar tanto sorrisos como lágrimas. Todas as situações fazem parte da nossa vida e, como tal, devem ser registadas.

Até ao dia de hoje tenho sempre conseguido documentar praticamente todo o quotidiano destes pequenos “ditadores”. De uma forma ou de outra – e se não me falha a memória – penso ter pelo menos uma fotografia para cada altura do ano. O Natal e o Ano Novo são (talvez) as alturas mais simbólicas, quando todos inundam as redes sociais de mensagens de esperança e amor, deixando votos e desejos para os que lhe são queridos. No ano que passou resolvi alterar o “esquema”. Tirei uma fotografia aos 5 onde todos estávamos a olhar para a câmara. Propositadamente arrisquei, com prejuízo de não funcionar e ter de repetir a nossa mensagem de Ano Novo no dia seguinte. A solução era óbvia e de simples execução…

mensagem-ano-novo

Mensagem de Ano Novo

Sabia que iam chover críticas, mas ainda assim foi decisão conjunta. Os meus filhos têm uma vida normal, só que registada a “dois tempos”: um registo pessoal que ficará para memória futura – nossa e deles – e um segundo registo propositadamente para as redes sociais. Não é obrigatório, mas todos o fazem e gostam de fazer.

Os meus filhos vão ao Parque da Cidade

parque-cidade

Parque da Cidade

Os meus filhos vão à praia

brincadeira-areia

Brincadeiras na areia

banho-praia

Vamos a banhos

Os meus filhos vão a exposições

exposição

Exposição “Fragilidade e Resistência”

Apreciam arte urbana

grafitti

Grafitti

Os meus filhos ouvem música

headphones

Ouvindo música individualmente

e fazem o que muitos não fazem, tocam

musicos

Músicos

Depois de entrarmos no esquema é fácil utilizarmos os nossos filhos como modelos. No meu caso tenho-os usado apenas como “suporte de comunicação”, sem interesse comercial de qualquer espécie, mas facilmente conseguiria que eles fossem parte integrante do meu portefólio fotográfico se, a certa altura, me faltasse quem fotografar.

Mesmo mantendo anónimas as feições de cada um, é sempre possível usarmos a prata da casa. Com telemóvel ou DSLR, o mais difícil é posicionar-me de modo a esconder-lhes a cara. Quando isso não é de todo possível, o meu amigo photoshop faz o resto.

A próxima galeria obrigou-me a reviver alguns dos melhores momentos passados com os meus filhos. De notar que, mesmo sem lhes revelar a identidade, mantém o protagonismo em todos os momentos. Quantas destas não entrariam facilmente num portefólio fotográfico? Quantas mais não tenho que não incluí nesta seleção? Todas estas fotografias foram retiradas do meu perfil pessoal de facebook.

Não me canso de referir: “o importante é a criatividade”. Consciente de que a qualidade das imagens não é a melhor, até porque vêm diretamente do facebook, depois de lhes ter sido aplicado o filtro para redução de tamanho, estou ciente de que poucos ligaram para esse facto. A mensagem transmitida em cada registo supera a deficiência.

Sejam criativos, usem o que está ao vosso alcance que, em grande parte das vezes, tem tudo para superar o que inicialmente idealizamos.

 

 


Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário