Blog ENTREVISTAS

Entrevista com… PEDRO VILELA

 

Simplicidade é a palavra que resume o trabalho de Pedro Vilela. Menos é “mais” e é com base nesse pressuposto que encanta, a cada casamento que “faz”.

 

PEDRO VILELA

O Amor é um sentimento simples, puro e sincero. Pedro Vilela descobriu nos casamentos a sua grande paixão. Sente que é uma peça fundamental para eternizar o momento e, o tipo de trabalho que desenvolve, prima pela beleza da mensagem.

Quando se faz o que se gosta, e se tem a confiança dos clientes, qualquer equipamento serve… 

Sou fotógrafo há cerca de 12 anos. Nos últimos 5/6 anos tenho-me dedicado quase exclusivamente à fotografia de casamentos.

Apresenta-te e apresenta o teu trabalho. Fala um pouco de como apareceste na fotografia e que tipo de trabalho gostas mais de fazer.

Sou o Pedro Vilela, sou casado, tenho duas filhas e um gato. Vivo em Lisboa. Comecei a fotografar há 12 anos como estagiário no Jornal Público. Era para ser 3 meses mas acabei por ficar 4, depois fui fazendo algumas colaborações pontuais. Após este estágio comecei a trabalhar como fotógrafo freelancer e fotografei um pouco de tudo. Durante alguns anos viajei por Portugal, pela Europa e por África, onde fiz várias reportagens para a imprensa nacional, empresas e instituições públicas. Ao mesmo tempo comecei a trabalhar como segundo fotógrafo para outros fotógrafos de casamento. Comecei a perceber que havia espaço para a reportagem nos casamentos, e há cerca de 5 anos dediquei-me a esse tipo de fotografia, que é o tipo que mais gosto de fazer.

“Toda a gente é fotógrafa..” O que achas da “concorrência” que surgiu com o BOOM na compra de máquinas fotográficas digitais.

Claro que vivemos tempos em que toda a gente fotografa e partilha rapidamente as imagens, mas olho para isso de uma forma muito positiva. Para além de fotógrafo também sou consumidor de fotografia, que é para mim uma grande fonte de inspiração.

Usas o smartphone para fotografar? Usa-lo meramente para diversão fotográfica ou consideras a eventualidade de utilização de uma fotografia captada por smartphone num artigo ou publicação tua. Porquê?

Actualmente tenho um Huawei p9 ( simplesmente fantástico ) que uso diariamente para fotografar. Vou partilhando essas fotografias regulamente no stories do instagram, meramente por diversão.

Para trabalho contratado usas apenas material profissional ou consideras a utilização de outro menos “caro”?

Não teria qualquer tipo de problema em fotografar com outro tipo de material fotográfico. A fotografia é uma interpretação sobre algo, e os meus clientes quando me contrataram confiam que irei fazer o meu melhor para contar a história deles. E fazer o meu melhor é ter comigo o material fotográfico que confio mais.

O que pensas da utilização de artefactos para atingir um mesmo resultado (ou próximo) que atingirias com equipamento mais profissional? Poderias usar essas soluções alternativas (DIY) numa base mais regular ou servem-te apenas para ocasiões pontuais?

A minha abordagem à fotografia de casamento é muito simples, gosto de deixar os momentos acontecerem! Procuro captar imagens e momentos que contem a história.

Procurar um artefacto pode muitas vezes desvirtuar esta simplicidade e honestidade que procuro nas minhas imagens. Claro que muito pontualmente poderei usar algo que tenha a mão para captar um reflexo ou acrescentar uma cor ou flare às fotografias.

O que achas das “chinesices”? Por vezes encontram-se soluções mais baratas em sites como o Ebay e semelhantes… Usarias um set de equipamento desses para um trabalho contratado?

Se isso no final reproduzisse com qualidade as imagens que procuro, claro que sim.

Adotavas um fotógrafo amador? Queres fundamentar a tua resposta?

O que me suscita curiosidade em qualquer fotografo, quer seja amador ou profissional, é a sua interpretação da realidade e todos os dias sou surpreendido pelas fotografias que chegam à “minha mesa de trabalho”. Um fotógrafo não se torna fotógrafo de um dia para outro, há vários caminhos por onde seguir e esse caminho é muito longo. Acho que temos todos a aprender uns com os outros.

És pessoa para que marca?

Nikon.

Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário