Blog ENTREVISTAS

Entrevista com… MENINO CONHECE MENINA


Tempo de Leitura: 1 minuto

 

O Menino adotou a Menina. O Menino gostou da Menina. O resto, são favas contadas… Conheçam uma bela história de (profissionais do) Amor.

 

MENINO CONHECE MENINA

A História é fácil de contar. Um amor à primeira vista que junta duas personagens ímpares da fotografia de “Amor”. Conheceram-se em trabalho, apaixonaram-se pela forma como os seus trabalhos se completavam e resolveram dar o passo seguinte… Menino Conhece Menina é mais do que fotografia de casamentos, é por si só uma bela história de Amor! 

Para começar: Menino conhece Menina é uma marca formada por dois fotógrafos: o Daniel (a escrever) e a Raquel (aqui ao lado a beber chá e a dar uns palpites).

A nossa profissão, aquela que põe pão em cima da mesa ao fim do mês, é a fotografia. Contudo ambos somos formados em arquitectura.

Apresenta-te e apresenta o teu trabalho. Fala um pouco de como apareceste na fotografia e que tipo de trabalho gostas mais de fazer.

Eu (Daniel) chego à fotografia através da arquitectura e do gosto em fotografá-la. Inicialmente comecei por fotografar para alguns arquitectos e, mais tarde, através de uma amiga de uma amiga de uma amiga que não encontrava fotógrafo que lhe agradasse para o seu casamento, pus o pezinho na fotografia de casamentos. O “Menino conhece Menina” aparece no seguimento desse primeiro trabalho, colocando-nos a nós, um casal apaixonado, a fotografar outros casais no mesmo estado de graça. O que fazemos é essencialmente fotografia de casamentos e, inevitavelmente, o acompanhamento fotográfico de alguns dos momentos que depois disso marcam as vidas desses casais.

“Toda a gente é fotógrafa..” O que achas da “concorrência” que surgiu com o BOOM na compra de máquinas fotográficas digitais.

Tem duas faces esta moeda, feliz e infelizmente. Para começar, a concorrência tende a beneficiar o consumidor, aumentando a quantidade da oferta e baixando os preços. No entanto, e aqui reside o “infelizmente”, nem sempre esse alargamento da oferta significa qualidade, ouvem-se sempre muitos relatos de casos em que as competências necessárias não estão contempladas.

Não pretendo desvalorizar quem começa, todos começámos. Todos demos os primeiros passos, titubeantes e inseguros. Mas o fundamental é não estacar aí, evoluir para bons profissionais, ganhar destreza e começar a dançar.

Nós somos ambos autodidatas nesta área, mas tivemos, além de sorte, a capacidade de procurar uma evolução constante que, gostamos de acreditar, estará longe de ter atingido o seu cume.

Usas o smartphone para fotografar? Usa-lo meramente para diversão fotográfica ou consideras a eventualidade de utilização de uma fotografia captada por smartphone num artigo ou publicação tua. Porquê?

Só para cenas mais casuais e domésticas, nunca em trabalho. No entanto, as câmaras de telemóvel foram muito importantes na minha evolução como fotógrafo e durante a fase de aprendizagem foram muitas vezes o instrumento para “aquela” foto. Agoro uso-o para fotografar o meu filho quando a câmara está a mais de 5m de distância.

Sou adepto da máxima: “a melhor câmara é aquela que tens contigo” e aí os telemóveis têm uma clara vantagem.

Para trabalho contratado usas apenas material profissional ou consideras a utilização de outro menos “caro”?

Para trabalho utilizamos só material de qualidade, num evento não podemos falhar. Claro que todo o material é falível mas não viveriamos com a consciência tranquila se nos falhasse material essencial por termos ido para uma solução mais barata. A única peça mais chinoca que temos são dois sincronizadores de flash da Yongnuo, que mesmo assim me parecem de muito boa qualidade. E só facilitamos nesse ponto porque na realidade raramente usamos flash

O que pensas da utilização de artefactos para atingir um mesmo resultado (ou próximo) que atingirias com equipamento mais profissional? Poderias usar essas soluções alternativas (DIY) numa base mais regular ou servem-te apenas para ocasiões pontuais?

Eu na realidade sou um engenhocas, mas dado que ainda não sei construir câmaras ou lentes não há muito DIY que possa fazer aqui. Fotografar com pinhole não é exactamente algo que me pareça fazível num evento nosso, mas, agora que penso nisso, quem sabe? Se calhar um dia destes apareço com uma lata de sardinhas a uma noiva a ver se lhe dá qualquer coisa má…

O que achas das “chinesices”? Por vezes encontram-se soluções mais baratas em sites como o Ebay e semelhantes… Usarias um set de equipamento desses para um trabalho contratado?

Repetindo o que dizia acima, não poupamos esforços ou despesas no que toca à qualidade do material, desde corpos suplentes com as mesmas características que os principais, diversas lentes a contar com acidentes, cartões para fazer vários casamentos sem ter de ir ao PC descarregar, etc. As chinesices poderão até ter uma melhor relação qualidade preço em determinados aspectos, mas, como os momentos que fotografamos são irrepetíveis e como as falhas podem ser irremediáveis, procuramos a segurança máxima que o material nos possa fornecer.

Adotavas um fotógrafo amador? Queres fundamentar a tua resposta?

Adotava e adotei: a Raquel. No primeiro casamento que fez comigo (ainda não tinha nascido o “Menino conhece Menina” nessa altura) pouco ou nada sabia de fotografia. Inadvertidamente fechou o diafragma e, como todas as fotos passaram a estar tremidas, achou que tinha avariado a câmara… As semanas seguintes foram de treino intensivo, entretanto aconteceram já muitos casamentos e, hoje em dia, dá-me “coças” consecutivas nos pequenos desafios fotográficos que vamos fazendo.

Mas depois da Raquel não adotava mais nenhum outro fotógrafo. Não há como fotografar com quem te lê a mente! As reportagens são um prazer e o trabalho só beneficia com essa química.

És pessoa para que marca?

Canon. Há mais de 10 anos comprei uma 30D e “filiei-me” à marca sem saber bem porquê. Hoje sinto que a decisão foi acertada, as câmaras correspondem ao que precisamos: são rápidas, robustas, fiáveis e fáceis de “manobrar”.  E tem lentes muito especiais;  a 85mm f/1.2, por exemplo, tem um look verdadeiramente único.


Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário