Blog DIY GUIAS RÁPIDOS

Calçado; Dicas para fotografar “quem” nos dá conforto

Sapatos

Tempo de Leitura: 4 minutos

A fotografia pode ser um meio para atingir um fim. A imagem vende e o pessoal “come” com os olhos. Quer vender o seu calçado? Aprenda a fotografá-lo, primeiro.

Nos dias que correm todas as formas são válidas para ganhar dinheiro. Uma das soluções utilizadas para angariar uns “cobres” extra, é vender os artigos que já não usamos. Carteiras e calçado (para as senhoras) serão os principais e os que existem em maior número.

No nosso caso, foi mesmo uma questão profissional. A fotografar para uma loja de artigos desportivos, sentimos a necessidade de fotografar calçado. Não eram sapatos, mas sapatilhas e chuteiras de futebol. O produto é diferente, mas o processo é o mesmo.

Com as condições que nos deram, fizemos o nosso melhor! O espaço era apertado e a iluminação a normal de um “armazém”. Ainda levamos dois candeeiros de secretária para eliminar sombras e usamos uma Canon 6D e uma objetiva Canon 50mm f/1.8. A configuração e o resultado final (que ainda não está concluído) são, neste ponto, irrelevantes. Contudo, achamos importante deixar umas dicas sobre “como fotografar sapatos (calçado)“.

As dificuldades que sentimos serão, em grande escala, as sentidas pelo comum dos mortais. Ninguém tem (como nós não tivemos) um estúdio com as melhores condições para a prática fotográfica. Então, nada melhor que partilhar a nossa experiência, em tom de dicas…

Não fotografem como vêem

Esqueçam o deitar os sapatos no chão e fotografar de cima. Nada pior que uma imagem “achatada”… É básico e não apresenta qualquer valor acrescentado ao produto.

Preencham o calçado

O enchimento de uns sapatos ou umas botas pode parecer escusado. Contudo, e principalmente no segundo caso, dá um aspeto totalmente diferente ao produto. Umas botas com “vida” contrapondo uma postura murcha, tem maior probabilidade de vender. Além de mais apelativo, dá maior sentido de realidade.

Usem as técnicas de levitação

Já aqui pusemos limões e pessoas a flutuar. A técnica é básica e pode marcar toda a diferença. No caso de umas sandálias ou de um calçado com algum pormenor que deverá ficar “suspenso”, usem a técnica do fio de pesca… Simulem, tanto quanto possível, a forma como o sapato fica no pé…

Cuidado com o Crop

A certa altura é preciso “cortar” a imagem. Não olhem para o calçado sem qualquer tipo de emoção. Não se trata apenas e só de um objeto… O que pretendem vender é algo mais, quase que como uma jóia, que deve ser apresentada com requinte. Esse requinte requer “espaço”. Assim, deixem algum “ar” nos quatro lados da imagem. Não usem imagens banais, sem qualquer destaque. Com alguma dificuldade de expressão, a imagem seguinte ilustra o que aqui se pretende enaltecer…

 

A primeira imagem mostra a forma correta de apresentar o produto, enquanto a segunda é a mais utilizada, na nossa opinião de forma errada. O produto é o mesmo. Contudo, o destaque é mais visível na primeira fotografia.

Várias imagens, vários ângulos

Como tudo o que vende, devemos apresentar várias vistas para o produto. De lado, de frente e de trás. Talvez de cima e de baixo, … Mas depois é preciso criar coerência…

As imagens devem ser cuidadosamente tratadas de modo a que apresentem  o mesmo tamanho (altura), independentemente da vista.

Profundidade de campo

Embora pareçam mais artísticas e forneçam um toque mais requintado à fotografia, a profundidade de campo é, neste caso, um inimigo a combater. Importa apresentar detalhe e, por conseguinte, todo o objeto deve estar perfeitamente focado. Aumentem a abertura para f/11 (sensivelmente), garantido que toda a imagem está visível

Fundo

Utilizem fundos neutros ou, preferencialmente, causadores  de pouca distração. Se o objetivo é vender um produto, devemos manter a tenção do utilizador para o objeto e não para o meio envolvente. No nosso caso usamos um rolo de papel branco e improvisamos um “fundo invisível”. Caso não consigam esse efeito, usem uma área limpa, um espaço aberto que vos permita isolar o “sapato”.

 

As dicas aqui facultadas são válidas tanto para calçado como para outro objeto. Sendo uma questão de adaptação, conforme referimos, esta foi a nossa experiência. Aproveitem para vender o que têm em excesso (e já não usam), convertam em dinheiro e invistam e mais material fotográfico.


Artigos que podem interessar

Sem Comentários

    Deixe um Comentário